• Default Alternative Text

    Notícias

    Fique a par das últimas notícias sobre a Schneider Electric Portugal

    Gartner coloca Schneider Electric no Top 15 2015 das organizações europeias de cadeia de fornecimento

    16.03.2016

    A Schneider Electric, especialista global em gestão energética e automação, é indicada pela Gartner, Inc., organização líder de pesquisa e análise na indústria de tecnologias da informação, em décimo lugar no estudo 2015 Gartner Supply Chain Top 25: Europe Top 15 .A Schneider Electric junta-se assim ao Top 15 pela primeira vez este ano, subindo 12 lugares face ao ranking de 2014.

    O relatório da Gartner identifica as 15 empresas com melhor performance com base na combinação de métricas financeiras (crescimento de receitas, retorno de ativos (ROA) e inventário) num ranking composto que engloba opinião de pares e analistas de cadeias de fornecimentoda Gartner.

    “Aquando da análise os rankings de cadeia de fornecimento para 2015, identificámos algumas práticas comuns e desafios que as organizações líderes neste setor enfrentam na Europa”, afirma Stan Aronow, Research Vice President da Gartner.“A vontade de investir de experimentar tecnologias e modelos de negócios digitais dotaram as principais empresas de vantagens em termos de colaboração, melhorias de segmentação e capacidade de resposta a nível local ”, conclui Stan Aronow.

    “O nosso objetivo passa por assegurar que a nossa ampla base de clientes globais pode beneficiar da nossa abordagem à cadeia de fornecimento personalizada”, explica Annette Clayton, Executive Vice President do Global Supply Chain daSchneider Electric. “Acreditamos que a classificação do European Supply Chain da Gartner confirma a nossa posição no mercado e o nosso compromisso em fornecer aos nossos clientes a melhor cadeia de fornecimento, capaz de responder às especificidades dos desafios que enfrentam”.
    No relatório, a Gartner define os principais temas comuns às organizações europeias de cadeia de fornecimento:

    • Escala Global, resposta local — Independentemente da indústria, estas companhias contam com centenas de dependências, milhares de fornecedores e de SKUs, e operam em dezenas de países. Estão a trabalhar para definir fortes objetivos globais, mas permitem flexibilidade na forma como atingem os seus objetivos em mercados locais.
    • Multiplicidade de modelos através da segmentação — Seja criando novas categorias de produto em mercados emergentes, a mudança para o multicanal ou a melhoria da serviço ao cliente, as empresas líderes aplicam a segmentação para criarem um portefólio de modelos standard para responder às diferentes necessidades dos seus clientes.
    • Colaboração — Baseando-se na visibilidade permitida pela tecnologia, estas companhias recorrem ao trabalho colaborativo em diferentes redes para cumprirem os seus objetivos. Internamente, este facto traduz-se no enfoque nas vendas e no planeamento de operações, criando um fórum de tomada de decisão transversal às diversas funções na cadeia de fornecimento, com parceiros de negócio internos, fornecedores e clientes.
    • Aposta no digital — Com a noção do potencial do digital, estas empresas testam novos produtos, novas embalagens e abordagens operacionais com base em novas tecnologias digitais. Até 2020, mais de 86% das empresas contam ter um negócio de natureza digital, esbatendo as fronteiras entre o físico e o digital. As cadeias de fornecimento líderes estão a estudar formas de digitalizar a sua cadeia de fornecimento através de standards 4.0 e aplicação de tecnologia de sensores e de impressão 3D, tal como focando a sua estratégia e o desenvolvimento de processos no suporte à mudança para modelos de negócio digitais.
    • Cultura de excelência e líderes de mudança — Para estas empresas, a transformação não é somente um projeto único, mas uma forma de vida. Além da melhoria contínua de natureza Lean Six Sigma, de iniciativas de melhoria da qualidade e de estandardização que permitem manter o enfoque na excelência operacional, contam com recursos dedicados para analisarem, testarem e implementarem alterações disruptivas em toda a organização.
    • Investidores em talento e tecnologia — É reconhecido, e amplamente aceite pelas funções de cadeia de fornecimento de alto desempenho, que a tecnologia facilita a execução. O que estas companhias também reconhecem é que os indivíduos talentosos criam, implementam e desenvolvem cadeias de fornecimento de classe mundial.
    • Sustentabilidade— As companhias líderes europeias estão a ultrapassar a abordagem ambiental tradicional para alterações operacionais, uma vez que a sustentabilidade é destacada em muitas estratégias corporativas para 2020. Em 2014, o Parlamento Europeu aprovou uma lei que requer que as empresas de grandes dimensões, cotadas em bolsa, facultem relatórios anuais que incidam sobre “políticas, riscos e resultados” em relação a “impactos sociais, ambientais e de direitos humanos e políticas de diversidade e de anticorrupção”. Muito embora este relatório seja agora obrigatório, estas empresas líderes visam melhoramentos que vão para lá da elevada fasquia estipulada pelos reguladores europeus, apresentando alvos de sustentabilidade significativos e projetos que afetam a definição de materiais, gestão de fornecedores, utilização energética e de água, criação de desperdícios, emissões de gases com efeitos de estufa, design de produto e de embalagens.
      “As nossas equipas de cadeia de fornecimento em todo o mundo têm como objetivo diário facultar o melhor serviço possível aos nossos clientes e stakeholders”, conclui Annette Clayton.“As equipas estão muito entusiasmadas com este reconhecimento externo, o que nos motiva e ajuda a recrutar talento crítico para colocar mais e melhores competências ao serviço dos nossos clientes”.

    Pode consultar mais informação no estudo “2015 Gartner Supply Chain Top 25: Europe Top 15." Os resultados do European Supply Chain Top 15 foram apresentados na Gartner Supply Chain Executive Conference 2015, em Londres, Reino Unido. Veja ainda o anúncio da Gartner sobre o último ranking.

    Isenção de responsabilidade – A Gartner não recomenda qualquer fornecedor, produto ou serviço indicado nas publicações de pesquisa e não aconselha os utilizadores de tecnologia a selecionarem apenas os vendedores com as classificações mais elevadas. As publicações de pesquisas Gartner são compostas pelas opiniões da organização de pesquisa Gartner e não devem ser encaradas como declarações de facto. A Gartner não assume responsabilidade por quaisquer garantias, expressas ou implícitas, no que diz respeito a esta pesquisa, incluindo quaisquer garantias de comercialização ou adequabilidade a um propósito específico.